Previdência Privada

Solicite seu empréstimo agora, preencha nosso formulário de cotação, clique aqui.

Previdência Privada ou Complementar

A previdência privada tem suas regras específicas, mas funciona como um fundo de investimentos. Dessa forma, não pense na previdência privada como uma extensão da previdência pública: as características são totalmente diferentes: por exemplo, na previdência pública, a partir da primeira contribuição, você já tem direito aos benefícios, uma vez que aqueles que contribuem há mais tempo financiam os benefícios daqueles que entraram há pouco tempo; na previdência privada, você é responsável por seu benefício à é você que acumula seu benefício ao longo dos anos.

As previdências privadas podem ser subdivididas de acordo com a composição de sua carteira, adequando-se à tolerância ao risco e aos objetivos de cada tipo de pessoa. Podemos encontrar no mercado de previdências privadas os seguintes tipos de investimento:

  • Soberano: segundo a Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), a carteira desses planos é estritamente definida por títulos públicos com emissão do Tesouro Nacional, do BACEN e por créditos securitizados do Tesouro Nacional;
  • Renda Fixa: são compostos pelos mesmos papeis do Soberano podendo ser acrescentados diversos ativos de renda fixa, como CDBs, debêntures, letras hipotecárias, em sua carteira;
  • Composto: podem ter em sua composição qualquer tipo de ativo, sendo fixado o limite de 49% para os de renda variável.

 

Uma vez decidido por contratar um plano de previdência privada, atente para os seguintes pontos:

Primeiro, é preciso conhecer as várias opções (PGBL ou VGBL e tabela progressiva ou regressiva); segundo é preciso escolher a mais adequada a seu perfil e a seus objetivos.[leadform03]

Vamos lá:

Escolha em função do tipo de Declaração do Imposto de Renda:

  • Simplificada, indicação de VGBL;
  • Completa, indicação de PGBL.

Escolha em função da faixa de renda e do horizonte de tempo:

 

Solicite seu empréstimo agora, preencha nosso formulário de cotação, clique aqui.

  • Renda até o limite da alíquota de 15% – em torno de R$3.000,00/mês e horizonte de tempo até 4 anos) à indicação de regime tributável (tabela progressiva);
  • Renda maior que o limite da alíquota de 15% e horizonte de tempo maior que 4 anos à indicação de regime definitivo (tabela regressiva).

 

Escolha em função do tipo de renda do contribuinte:

 

  • Rendimentos tributáveis, indicação de PGBL;
  • Rendimentos tributados exclusivamente na fonte – 13º, fundos de investimentos, CDBs, títulos públicos –, indicação de VGBL;
  • Rendimentos isentos, indicação de VGBL.

 

Além disso, fique atento aos pontos:

 

  • Taxa de carregamento: equivale a uma determinada parte de cada aplicação efetuada pelo futuro aposentado, ou seja, é um percentual sob cada aplicação que o contribuinte efetua. Por exemplo, para uma taxa de carregamento de 5%, a cada R$100,00 que você aplica, R$5,00 são pagos como carregamento e os outros R$95,00 são investidos;
  • Taxa de administração: corresponde a uma taxa anual baseada em uma porcentagem sobre o patrimônio aplicado e deve ser paga mensalmente;
  • Rentabilidade média histórica do fundo de previdência;
  • Perfil de risco do plano/fundo;
  • Gestão ativa x gestão passiva.

Sobre o autor: Rodrigo Leone

Rodrigo Leone é doutor em Otimização, mestre em Matemática e especialista em Administração Financeira. Consultor financeiro pessoal e empresarial. É redator-chefe do Blog Vou Investir do Diário de Pernambuco e também professor do mestrado profissional em Administração da Universidade Potiguar (RN) e do Ibmec (RJ).

Discussão

Antonio Carlos Gomes Junior August 5, 2013 at 6:36 pm

Estou com 36 anos e quero fazer um plano de previdência. Quando devo começar a investir e qual é o melhor para eu fazer PGBL ou VGBL? Minha declaração de IR é completa e não atinge os 15 %.

Helamnivam October 8, 2013 at 1:55 pm

Oi tudo bem , eu tenho 27 anos e quero comecar a investir como faco? Nao tenho conhecimento sobre isso tenho que investir muito dinheiro como funciona?

Rodrigo Leone October 12, 2013 at 1:59 pm

Não é preciso muito dinheiro para começar a investir em previdência privada. O mais importante é conhecer sua capacidade de investimento, seu objetivo e outros pontos relativos à escolha do plano: tipo de renda, tipo de declaração, faixa de renda e horizonte de tempo.
Att,
Rodrigo Leone

Marissol Minhoto November 13, 2013 at 2:12 pm

Bom dia!

Gostaria de saber se é mais vantagem investir um dinheiro na poupança ou na previdência privada com as seguintes condições:

Tipo de plano: VGBL ( tabela regressiva)
Taxa administrativa: 0,9% anual
Taxa de carregamento: ausência

Estou com dúvida, pois me apresentaram estas condições em um plano de previdência, mas tenho ciência que quando for resgatar o dinheiro depois de 20 anos, vou ter que pagar o IR. Segundo informação da responsável, já que a tabela é regressiva, estarei pagando 10%.

Obrigado

Rodrigo Leone November 18, 2013 at 9:27 am

A previdência é melhor que a poupança sim, mas dependendo do valor que vai aplicar, dos seus objetivos e da sua disciplina, há outros produtos ainda melhores e de risco compatível.

Lembre-se que a taxa de 10% de IR é para os aportes que já tiverem 10 anos e não para todo o montante acumulado em 20 anos.

Qualquer dúvida, entre em contato pelo rodrigo.leone@gestorfp.com.br

Sidnei August 5, 2014 at 8:10 am

Olá. Quero investir $850,00 em ações, posso?

Att.

Postar um comentário