October 1 2012

Rosangela Lotfi

Veja como investir em ações e as opções de renda fixa para atingir seus objetivos





Solicite seu empréstimo agora, preencha nosso formulário de cotação, clique aqui.

Ninguém guarda dinheiro só por guardar. Geralmente as pessoas têm um objetivo. O primeiro passo é identificar o que é significativo para você e nomear esse objetivo: comprar um apartamento, um carro, fazer a viagem que sempre sonhou, aposentadoria, pagar os estudos dos filhos, ajudar os netos. Depois é pesquisar qual é o melhor investimento para atingir seu objetivo, pesquisar os benefícios daquele investimento e os riscos, sim porque todas as aplicações  financeiras têm um risco

Contar com a ajuda de uma corretora de valores ou de um banco (todos tem um corretora) é um passo importante, pois esses profissionais ajudarão a definir seu perfil de investidor, se mais arrojado ou mais conservador, alguém que busca mais segurança e lucros certos ainda que menores. Se seu perfil for conservador procure investimentos de risco menor e rentabilidade menor como a caderneta de poupança ou investimentos em renda fixa, fundos DI que acompanham a taxa de juros CDI (de valor próximo à Selic) e CDBs pós-fixados. Tudo depende que quanto dinheiro você tem disponível e de qual o objetivo. Os fundos DI exige aporte inicial mais alto nos grandes bancos, nos bancos menores e nas corretoras independentes, esses produtos são mais acessíveis. Atenção a taxa de administração, estas não devem ser maiores do que 1% ao ano.

Se o perfil for mais arrojado, mais riscos maior rentabilidade, uma boa opção são as ações que são investimento de renda variável, ou seja, seus ganhos não são sempre os mesmos e você pode até perder parte do que investiu já que a Bolsa oscila conforme as forças do mercado e tendem a acompanhar o ritmo da economia. Por causa dessa oscilação, a recomendação é ter além ações reservas financeiras em outras aplicações como poupança, renda fixa, CDB ai se houver necessidade do dinheiro, perde-se menos do que perderia ao vender ações em momentos desfavoráveis[leadform03]

Para investir na Bolsa de Valores o investidor deve contratar uma corretora membro do sistema e autorizada pela BM&FBOVESPA. Somente através das corretoras, os investidores têm acesso aos sistemas de negociação para efetuarem suas transações de compra e venda. É a corretora que vai cuidar do seu dinheiro e orientar os investimentos, ajuda a definir quanto investir e quais ações comprar.

Para investir em ações é necessário ajustar as expectativas, saber que se trata de um investimento de longo prazo, sem nunca sabe ao certo o quanto vai ganhar. Quem investe em ações pode comprar ou vender quantas e quais ações quiser, quando quiser e ainda receber periodicamente dividendos, uma parcela do lucro da empresa distribuída entre os acionistas. Uma aplicação alternativa em ações é investir nos fundos que buscam obter o retorno de índices. Os chamados fundos de índice (ETF) são aplicações em ações de diferentes empresas. As principais ações negociadas na Bolsa (índice Bovespa) ou as que representam os desempenhos de determinados setores do mercado como setor imobiliário, setor de consumo, com cotas que você compra na Bolsa. As vantagens são: investimento inicial pequeno, é um investimento diversificado porque é feito em conjuntos de ações reduzindo os riscos, os dividendos são automaticamente reaplicados no próprio ETF, fazendo-o crescer e é possível comprar ou vender cotas de ETF como se fossem ações. Outra, alternativa são os Clubes de Investimento reunião de no mínimo 3 pessoas e máximo 50 que se unem para investir. Ganhos e perdas são divididos proporcionalmente entre os membros de acordo com o quanto investiram. Os clubes deixam os investimentos mais acessíveis, mais diversificados. Uma vantagem é que a troca de ações dentro da carteira do clube, durante a vigência deste, não incide o imposto de renda sobre ganhos de capital que existe nos Fundos. Outra opção são os Fundo de Investimento em Ações cotas de um fundo de ações, administrado por uma corretora ou um banco. É uma forma cômoda de investir, mas é preciso investigar e comparar a rentabilidade e as taxas dos fundos.

Sobre o autor: Rosângela Lotfi

Rosângela Lotfi é jornalista especializada em economia e negócios, mas com múltiplos interesses. Possui experiência e atua em mídias impressas [jornais, revistas] e internet, nos quais produz conteúdos informativos e insitucionais. Atua também como ghostwriter.


Discussão

Sem comentários. Seja o primeiro a responder!

Postar um comentário